OLHAMO-NOS NOS OLHOS MAIS UMA VEZ E, MAIS ALÉM DELES, ENCONTRAMOS NOSSOS CORAÇÕES.

Por Larisse Dias Pedrosa.


A relação do casal não começa no amor a primeira vista.


Ao contrário, se isso acontece, esse amor é idealizado e fadado ao fracasso.


Quanto maior a idealização do casal, mais fantástica parece ser a relação, pois tudo começa no estado “perfeito” de uma “história perfeita” entre eles, porém manter este estado é o mesmo que aprisionar-se num encanto mortal que só a bruxa da realidade é capaz de desfazer.


Um casal chega na vida um do outro muito distante de estar pronto para aquela relação, pois ela precisa ser construída a dois onde a força de cada um aparece.


O que adianta se o homem e a mulher chegam para a relação com vários títulos, prêmios, patrimônios, passaportes carimbados e “alta” de suas variadas terapias se eles não construíram essas conquistas juntos?


Neste caso, essa relação existe sem a força do casal.


Construir uma relação a dois precisa de rotina, de histórias reais e de propósitos de vida que fortificam o casal na atualidade do relacionamento.


Para isto é preciso que exista vários “recasamentos” na mesma relação.

Todos sabem que não existe casamento perfeito, mas ninguém deseja vivenciar a sua parte difícil.


É exatamente na parte difícil do casamento que os dois ganham espaço para se amar, servir e seguir juntos na relação.


O casal idealizado paga o preço que for para viver o “FELIZES PARA SEMPRE”! Nesse lugar, o casamento acabou.


Quando eu e meu marido nos olhamos pela primeira vez como homem e mulher transformamos os nossos olhares, porém esse não foi o primeiro e nem o segundo olhar entre nós.


Todos os dias do começo até aqui nos olhamos de variadas maneiras (boas/ruins; alegres/tristes; admirados/decepcionados; dispostos/cansados, juntos/separados, etc); e permanecemos.


No dia do nosso segundo casamento, recebi uma mensagem de uma querida amiga, dizendo: “Não é o amor que sustenta a aliança; é a aliança que sustenta o amor”.

Essa mensagem tocou profundamente o meu coração, pois eu já sabia que o amor não impede nenhum casal de se separar.


Muitos casais se separam, amando um ao outro, mesmo de forma adoecida.


Estudando o casamento sistêmico, aprendi que a aliança representa a parte inteira do casal e simboliza a “eternidade” do amor entre eles, pois no circulo não existe começo e nem fim.

Os noivos fazem uma aliança um com o outro e se colocam na realidade de suas vidas juntos para construírem a relação.


Eu também já sabia que um amor agradecido no coração do casal concorda com cada um exatamente como é, pois quando os dois sentem o mesmo, ambos ficam seguros, seja o que for que chegue depois.


O grande desafio para o casal é vivenciar o que chegará depois e só atravessando o que chega é que o casal se fortifica e permanece casados.


Assim, o casal olha para diante e para o amplo e se direcionam para outra profundidade do casamento, sempre mais longe; levados por um movimento criador da vida, para mais saúde, mais prazer, mais realização, mais amor satisfeito, A DOIS.


Assim, juntos, o casal cresce a serviço da vida e podem dizer: “Amo a mim e amo a ti e amo e respeito para onde nos levam teu destino e o meu”.


Eu vejo você querido marido!


Larisse Dias Pedrosa


Idealizadora do Projeto: Um caminho que leva a cura da mulher: Mães e Filhas 🌷#projetomãesefilhas


20 views0 comments

NOSSAS REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Contatos:

WhatsApp-logo-as.png